segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O CAMELÓDROMO AGONIZA!

Desde o início do mês de novembro, quando foram entregues mais de cem notificações nos blocos A e B do camelódromo, Juliano esteve à frente do processo de negociação que foi encaminhado junto à Câmara de Vereadores, ao Ministério Público, à prefeitura municipal e à empresa Verdicom. No dia 04 de novembro foi realizada a primeira reunião na Câmara de Vereadores, em que, graças à intervenção dos vereadores Pedro Ruas e João Dib, acordou-se de que o prazo para os despejos seria assegurado até a semana seguinte, em que novas negociações e reuniões seriam relizadas. Juliano encaminhou o pedido de intervenção junto ao Ministério Público no mesmo dia, que então se comprometeu a interceder junto ao prefeito no intuito de assegurar um maior prazo de permanência dos comerciantes populares em seus espaços, entendendo que se trata de um período de vendas de fim de ano que poderia, provavelmente, recuperar as finanças das pessoas abaladas com os valores abusivos de aluguel.

No dia 09 de novembro, na semana seguinte, portanto, foi realizada uma reunião na Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vereadores (cuja pauta era, inicialmente, para tratar de um caso isolado de inadimplência e que, estranhamente, ninguém veio a comunicar a todos os interessados), em que novamente foi tratado da questão do camelódromo. Nessa ocasião, Juliano, junto com os camelôs notificados e todos aqueles que acreditam e fortalecem o movimento, se dirigiu até a Câmara e lotou a plenária. Apesar dos impropérios e das ofensas pessoais dirigidas por Adeli Sell contra Juliano, a reunião permitiu dar um passo importante no processo de negociação, com o comprometimento do vereador DJ Cassiá com a causa e com a exigência, por parte da SMIC, da lista de inadimplentes e a suspensão das notificações.

Na semana seguinte, a SMIC dá um passo contrário a todas as negociações já realizadas até aquele momento, emitindo cerca de 70 portarias - o último passo antes do despejo por meio de ação administrativa. De modo que, após falar diretamente com o prefeito e conseguir o seu apoio, Juliano encaminha a mobilização novamente para a Câmara de Vereadores, na semana seguinte. Na segunda-feira, dia 22, o auditório principal da casa estava bastante tomado pelos camelôs que, novamente, após meses e meses de luta, retornam ao local para reivindicar por suas demandas. Cartazes foram feitos e, diante da pressão, todos os vereadores assinam uma moção em nome da permanência dos comerciantes populares em seus boxes até, pelo menos, o dia 15 de janeiro. A carta seria encaminhada ao prefeito municipal e caberia a ele a decisão final de suspender até a data negociada os processos de despejo, que venceriam naquela semana. Na sexta-feira da mesma semana, dia 26, uma mobilização coletiva foi realizada em frente ao camelódromo, que contou com a presença de várias autoridades municipais e estatais, bem como de vários agentes da mídia.

Apesar da repercussão e do consenso a favor da manutenção dos camelôs em seus espaços de trabalho até, pelo menos, o fim de dezembro, na madrugada de terça-feira, dia 30, o prefeito Fortunati, através de seu secretário Walter Nagelstein, efetuam o lacre de 37 bancas. Diante da notícia inesperada, Juliano conduz todos os titulares das bancas lacradas até a Câmara de Vereadores, na tarde do mesmo dia, e consegue, graças à intermediação dos vereadores Pedro Ruas, Fernanda Melchionna e João Dib (junto ao governo), um acordo de que o prefeito se comprometeria a romper o lacre ainda no mesmo dia.

Contudo, isso não veio a acontecer: Fortunati volta atrás em sua palavra quando dona Elaine Deboni, representante da empresa, contata desesperadamente a prefeitura para exigir satisfações. Uma última reunião é marcada para a sexta-feira, dia 3 de dezembro, que se mostra completamente inútil. Resultado: o lacre das bancas é mantido graças ao poder de intervenção de Elaine, que se mostrou mais poderosa que o próprio prefeito e a Câmara de Vereadores, numa das poucas situações já vistas em que uma empresa privada que mantém relações escusas com o escândalo de corrupção da ULBRA consegue governar na capital do estado, em nome do prefeito, fazendo-o romper com a sua própria palavra!









domingo, 12 de dezembro de 2010

UATI - União de Associações de Trabalhadores Informais do RS

Durante os meses de outubro e novembro de 2010, Juliano Fripp esteve envolvido com a proposição e criação da UATI - União das Associações de Trabalhadores Informais do estado do Rio Grande do Sul. As reuniões preparatórias foram presididas por Juliano e realizadas no terminal Mathias Velho do Trensurb. As reuniões contaram com o apoio do PSOL e com representantes de diversos segmentos e entidades que representam os trabalhadores informais e camelôs do estado. Entre as principais questões debatidas quando da criação da associação, constam os temas relativos ao camelódromo de Porto Alegre (com as tentativas por parte do poder público de desapossar os comerciantes populares de suas bancas ao não dar as condições necessárias à sua adaptação), o problema enfrentado pelos trabalhadores informais que atuam ao longo dos terminais do Trensurb, em que o governo federal busca retirá-los em função de interesses econômicos, e a questão da implantação do camelódromo de Pelotas e Santa Maria, com os problemas decorrentes da transição dos camelôs a este novo espaço e os interesses econômicos e políticos do poder público.

Entre as associações que assinaram o abaixo-assinado de fundação da associação e estiveram presentes, com os seus respectivos representantes, constam a ASSOVAM (Associação dos Vendedores Ambulantes - Mathias Velho), com representantes das associações de comerciantes ambulantes de Esteio (ACPTEE), Sapucaia do Sul (Associação dos camelôs de Sapucaia), Pelotas (ACAMPEL), Porto Alegre (Associação Feira Rua da Praia) e Canoas (ASSOVAM - Canoas). Estiveram presentes, entre outras pessoas, Juliano Fripp, Lourdes Coppi, Carlos Borba, Rodrigo Silva, Ângela Regina Helfer, Áurea Helen da Silva, Alexandra maria de Oliveira, José Carlos da Silva, Cristiano Ricardo Massena, Anselmo Carliani, Marcos Leandro Zimmermann, Jerci da Silva Dias, Andréia Rejane Alves Kaim. Ficou decidido que os representantes das associações presentes formariam uma comissão provisória pró-formação da UATI-RS, até que seja realizada a primeira eleição para a diretoria da UATI-RS em junho de 2011. Também ficou decidido a discussão de uma proposta de estatuto a ser levada à assembléia geral conjunta das associações antes das eleições e abaixo-assinado conjunto pró-fundação da UATI-RS, além de um dia de lutas (a princípio marcado para o dia 24 de novembro de 2010) contra a retirada dos espaços de trabalho dos trabalhadores informais do Rio Grande do Sul.

No dia 27 de outubro foi realizado um protesto, em nome da associação, em frente ao camelódromo de Porto Alegre, na avenida Voluntários da Pátria que, além de contar com o apoio do PSOL e de vários outros vereadores e autoridades políticas, também contou com a presença da mídia e serviu para lançar publicamente a proposta de fundação da associação e encaminhar as propostas para o novo governo do PT do estado.

Acompanhe, abaixo, as fotos das reuniões da associação e dos documentos de fundação.










terça-feira, 7 de dezembro de 2010

JULIANO FRIPP PRESTIGIA ATO POLÍTICO EM FAVOR DA ELEGIBILIDADE DE LUCIANA GENRO

Juliano Fripp esteve participando na tarde de hoje, dia 6 de dezembro, do ato político realizado no auditório nobre do prédio de Direito, da UFRGS, em favor da elegibilidade de Luciana Genro a vereadora, em 2012. O evento contou com a presença de inúmeras figuras políticas do cenário nacional, estadual e municipal. Juliano Fripp também esteve prestigiando o evento e apoiando a iniciativa em favor do respeito à democracia no Brasil e da elegibilidade de Luciana.




sábado, 4 de dezembro de 2010

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE É COMANDADA PELA VERDI CONSTRUÇÕES!

Abaixo, segue o email enviado por Juliano ao programa de Beatriz Fagundes e que repercutiu positivamente:
PEÇO A TODOS QUE MOSTREM PARA O MUNDO QUE A PREFEITURA DE POA É COMANDADA PELA VERDI CONSTRUÇÕES.  



"Beatriz,um bom dia e um feliz aniversário antecipado.Infelizmente para nós esse dia sera conhecido como o dia que prefeito Frtunati disse ao povo de POA que nunca teve e que não fica.Depois de quase 2 anos da inauguração do camelódromo,onde muitos camelôs foram enganados por um projeto excludente e logo depois foram expulsos pela SMIC, uns por não poderem pagar os preços absurdos cobrados pela empresa VERDI,com anuencia da Prefeitura,e outros foram expusos por fazerem denuncias contra esse poder nefasto que acampou em POA,poder esse comandado por empresas privadas que mandam na Prefeitura e no Prefeito.Ontem,para nós ficou comprovado essa afirmação.Logo depois de passada a eleição,onde eles perderam, a SMIC e a VERDI construções iniciaram um processo de mais expulsão dentro do camelódromo,mandaram mais de uma centena de notificações exigindo pagamentos de atrasados ou o despejo,iniciamos naquele momento uma luta na tentativa de salvar essas familias,onde pediamos simplismente que a prefeitura desse uma chance para esse povo poder pagar,pedimos que estendessem o prazo para o pagamento até o final de dezembro.Fomos a câmara de vereadores,a comissão de direitos humanos e após semanas de reuniões e mobilizações conseguimos com que 33 vereadores assinassem uma moção que pedia ao prefeito a permanencia desses camelôs dentro do camelódromo.Não houve entedimento do prefeito que deveria fazer esse favor,não só para nós,mas tambem para praticamente todos os vereadores.Esta semana,na terça-feira,vereador Pedro Ruas procurou o lider do governo João Dib e explicou para ele toda a situação e pediu que intervisse em favor dos camelôs,houve o entedimento do João Dib que realmente nós precisavamos dessa oportunidade e com isso ligou para o prefeito e conseguiu convencer o Fortunati a não lacrar nem uma banca até dia 31 de dezembro.Depois dessses acertos assegurados onde o prefeito tinha dado sua palavra,na quarta o Prefeito voltou atrás e convocou o vereador João Dib para uma reunião na sexta,junto com a que se acha dona de tudo, Elaine Deboni,SMIC,governança local e mais o vereador Toni Proença.E é aí que começa a porcaria,pois essa senhora que representa Verdi construções,empresa que esta sendo investigada pela estreita ligação com o ex reitor da ULBRA,com apoio do secretário da SMIC ditaram as regras da reunião e mandaram o prefeito voltar atrás.Tenho pena do Prefeito Fortunati,pois ele a mando de uma empresa teve que desrespeitar dezenas de vereadores e ainda desgastou um homem sério,dentro de sua ideologia,como João Dib.Beatriz vou te mandar o pronunciamento na integra do vereador Pedro Ruas e do vereador João Dib na tribuna da câmara,para comprovar que o que estou falando não é invenção ou coisa parecida.Para terminar quero dizer que infelizmente POA esta sendo comandada por donos de empresas e que o interesse do povo esta muito abaixo do interesse dos grandes investidores que querem correr com o povo de seus espaços de trabalho e moradia,lembra do morro santa teresa,tudo em função da copa e da FIFA.


O SR. PRESIDENTE (Mario Manfro): O Ver. Pedro Ruas está com a palavra para uma Comunicação de Líder.
O SR. PEDRO RUAS: Sr. Presidente, Srs. Vereadores, Srs. Vereadoras; o dia de ontem foi difícil para a Cidade, e eu confesso que foi muito difícil para mim, pessoalmente. Pela manhã, estavam lacradas 40 bancas no Centro Popular de Compras, o popular Camelódromo. Quarenta famílias que investiram seus últimos recursos neste final de ano, compraram mercadorias para vender no Natal, para sobreviverem e cumprirem seus compromissos, acreditando na capacidade que esta Casa tinha, que os Vereadores de Porto Alegre tinham, do seu pedido ao Prefeito, para que os mantivessem pelo menos até 15 de janeiro as bancas abertas. Não houve essa possibilidade porque a SMIC lacrou, ontem, pela manhã, 40 Bancas. Eu procurei o Ver. João Dib, que foi um gentleman, durante todo o tempo, todo o período. Como Líder do Governo, recebeu-me, ontem pela manhã, falou com S. Exa. o Prefeito, que me mandou o recado de que a palavra do Prefeito José Fortunati era de que manteria os comerciantes no Centro Popular de Compras até 31 de dezembro, e não 15 de janeiro. Eu liguei para agradecer ao Ver. João Dib e lhe disse que ele serve de modelo para todos nós. Mais uma vez, ontem, eu disse que agradecíamos, tínhamos aquele compromisso de 31 de dezembro, e que as bancas abririam ontem à noite. Hoje, fiquei sabendo de que elas não reabriram ontem à noite e nem hoje pela manhã. Reforço aqui o elogio aos esforços do Ver. João Dib. Estou falando em relação ao compromisso do Prefeito que não honrou a palavra dada a este Vereador. Pedi na condição de Presidente da Comissão de Constituição e Justiça. E sei agora, Srs. Vereadores, que ele não determinou que o Secretário abrisse e não há projeto de abertura imediata, ao contrário do que disse a este Vereador. Então, faço este registro aqui de muita tristeza pelos nossos comerciantes do Centro Popular de Compras, meu caro Juliano Fripp, pelos nossos camelôs, mas também porque está criado um problema: os Vereadores de todos os Partidos da base do Governo tentaram evitar, assinaram documento pedindo uma mínima compreensão ao Prefeito, pedindo um mínimo de humanidade em relação àquelas famílias que só tinham o Natal para sua sobrevivência, e, talvez saldar seus compromissos. O Prefeito assumiu, repito, ao final, com este Vereador, Presidente da Comissão de Constituição e Justiça, o compromisso de manter os comerciantes e reabrir ontem à noite, e não cumpriu! Então fica o registro dessa profunda decepção, fica o registro em caráter também de denúncia. Resta, claro, o meu elogio à atuação brilhante do Líder do Governo, diuturna, porque ainda falava com o Ver. João Dib ontem, tarde da noite, mas fica a nossa mágoa e o registro político dessa dura decepção com o Prefeito de Porto Alegre. Muito obrigado.
 
O SR. PRESIDENTE (Bernardino Vendruscolo): O Ver. João Antonio Dib está com a palavra para uma Comunicação de Líder, pelo Governo.
 
O SR. JOÃO ANTONIO DIB: Ver. Bernardino Vendruscolo, na presidência dos trabalhos; Srs. Vereadores e Sras. Vereadoras, meus senhores e minhas senhoras, o Ver. Pedro Ruas, na manifestação que fez, está correto. Realmente o Prefeito, ontem, havia autorizado a permanência lá até o dia 31 de dezembro. Na realidade, eu diria que a Câmara Municipal, principalmente a Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul tem grande culpa nos acontecimentos do Camelódromo. O Camelódromo é uma empresa privada que tem concessão do Poder Público, foi uma Parceria Público-Privada. Ontem, quando fui procurado pelo Ver. Pedro Ruas entendi porque a maioria dos Vereadores havia assinado uma solicitação ao Prefeito para que eles fossem mantidos, para que pudessem, durante o mês de dezembro, fazer a recuperação dos seus gastos, das suas dificuldades, das suas dívidas. Eu disse ao Prefeito – e o Ver. Pedro Ruas me informava a mesma coisa – que seria até o dia 31 de dezembro e que seria a última vez que a Câmara interferiria no problema do Camelódromo. Na realidade, eu estive analisando, dentre os que devem, que os atrasos vão de 22 a 91 prestações, tenho os dados aqui. Ontem à tarde, o Secretário Valter me informou que reabriria as lojas à noite, sem nenhuma dificuldade. Mas ontem, à tarde, a Sra. Verdi – o seu sobrenome – me telefonou quase chorando e eu pensei, até, que era uma das pessoas que queria ser recolocada, ter restabelecida a sua oportunidade de trabalhar. Não, era a responsável pela empresa que tem a concessão do Camelódromo. E chorava, quase, que não podia pagar, que era uma barbaridade, que o Ver. João Dib tinha feito isso. Não, eu não fiz nada de mais, eu apenas coloquei a posição de 35 Vereadores que queriam que, durante o mês de dezembro pelo menos, fosse mantido e seria a última vez que aconteceria isso, porque os Vereadores assim haviam afirmado. Ela me disse que entraria com um mandado de segurança na Justiça, o que ela teria tranqüilidade, em razão do contrato que aqui está, de que ela ganharia a liminar. Depois de muito tempo de insistência dela, eu falei que entrasse, e pronto. Mas ela não entrou e, se entrou, não sei, mas, de qualquer forma, eu acredito que ela tenha conversado com o Secretário e com o Prefeito. O Prefeito, hoje pela manhã, me telefonou, pedindo que aguardássemos até sexta- feira, e estava me convidando para uma reunião no seu gabinete, às 14h30min, de sexta-feira, com a Sra. Verdi e com o Secretário Valter Nagelstein, para que nós pudéssemos tratar desse problema. Talvez, aí, com a presença da pessoa que ameaçou, não sei se entrou com o mandado de segurança, mas pelo menos ameaçou, e ganharia, tranquilamente, volto a afirmar, não sou advogado, sou engenheiro, mas sei ler um contrato. Provavelmente por isso tenha sido sustado. Mas acho que, sexta-feira, às 14h30min, estarei no gabinete do Prefeito; vai o Secretário Valter Nagelstein, Secretário da Indústria e Comércio, a Sra. Verdi, proprietária da empresa que tem a concessão do Camelódromo, provavelmente o seu gerente irá, e com o Prefeito, nós vamos encontrar uma solução, eu espero. Não houve, de fato, uma solução, o que não foi correto, eu acho que houve um desgaste muito grande. Eu, inclusive, me sinto profundamente desgastado, mas, infelizmente, eu não sei os detalhes que levaram o Prefeito e o Secretário da Indústria e Comércio a transferirem para sexta-feira a decisão. Então, eu espero que na sexta-feira a decisão seja aquela que os Vereadores que assinaram aquele Requerimento solicitando que durante o mês de dezembro eles possam trabalhar e talvez recuperar. Agora, eu acho difícil para quem, por exemplo, deve 60, 70, 80 ou 90 prestações. Como eu disse ….(Som cortado automaticamente por limitação de tempo.)"

RUMO À RETOMADA DO BLOG E DA LUTA!

A partir de hoje, convido a todos os visitantes deste blog, que acompanharam durante semanas a mobilização para a eleição de nosso candidato, Juliano Fripp, a deputado estadual, e que acreditam na causa defendida pela dignidade dos trabalhadores informais, a retomarmos a luta e a fortalecer a mobilização. Este blog voltará às suas atividades, publicando os últimos acontecimentos relativos à atuação do movimento, tanto no camelódromo de Porto Alegre quanto em outros lugares em que trabalhadores informais estão sendo coagidos pelo poder público a deixarem os seus espaços de trabalho!

Ajude a divulgar este blog, na defesa dos interesses e das propostas de um comércio informal mais digno e justo a todos que dele fazem uso!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Carta de Juliano à população!

      Muitos candidatos hoje estão lambendo as feridas, indignados e mal dizendo a todos e é compreensivel, gastaram milhares de reais, para não dizer milhões,comprando pessoas como se fossem mercadorias. Investiram muitos e muitos reais em propagandas como se dinheiro fosse lixo, e mesmo assim não se elegeram. Enxeram os olhos do povo com ouro de tolo,b elas fotos coloridas e grandes paineis, só que esqueceram de mostrar seu passado e seu trabalho, pois muintos não os tem.
      Eu, ao contrário, hoje estou muito feliz com meus 995 votos, pois sei que cada voto veio de um amigo ou da indicação de um amigo,votos esses conquistados no corpo a corpo, conversando com as pessoas, olhando no olho de cada um e cada uma, mostrando que tenho passado e também conquistas, sabendo que o voto é importante, mas que a confiança era e é o mais importante. Conseguimos e com isso projetamos um futuro promissor, onde os mais necessitados terão a sua vez. Sei que é demorado, mas jamais vou desistir de um sonho que é meu e de milhões. Quero agradecer a todos os 995 amigos que votaram em mim do fundo do meu coração, e dizer que demos um passo importante rumo a vitória que está bem ali.
      Obrigado aos 60 municípios que obtive votos, isso mostra que nosso trabalho tem consistência, pois mesmo sem TV chegamos lá onde jamais imaginamos chegar.
      Meu agradecimento aos trabalhadores informais e comunidades do OP de POA, e a duas cidades em especial, Condor e Esteio, além é claro, de Porto Alegre.
      Obrigado aos companheiros diários de luta em especial a Elisa, Sr. Zé, Moisés e minha querida amiga Ângela, que estiveram dia a dia lado a lado comigo todas as vezes que foram chamados.
     Um agradecimento aos primos e primas Luisinho, Antonio Carlos, Marcelo, Jorge, Salete, Mauricio, Aninha, Estela, Tibico, Raquel, Sergio, Andréia, Cristian, Betinho, Érico, Isabel, Jesus, Sabugo, Jurema, Darci e tantos outros que de alguma forma me deram força.
    Tambem é importante ressaltar a aproximação que tive com velhos amigos e conhecidos como Arruda, Angélica e o meu grande amigo e compositor Xandy que nos momentos certos estavam ali firmes apostando e vibrando juntos comigo.
      E finalmente meu obrigado a minha Mãe e minhas irmãs, sobrinhos e cunhados: Regina, Dirce, Julieta, Laura, Julia, Florismar, Carlos, Arion, Eduardo e Sasha, que se esforçaram, uns menos outros mais, na defesa de minha candidatura, levaram com muinta fé minhas propostas por onde andaram. Afirmo que se não fossem essas queridas pessoas teria desistido no meio do caminho desta ardúa tarefa. Um agradecimento especial a minha irmã Jeanine que abraçou de corpo e alma essa empreitada, abrindo mão de sua vida pessoal para se dedicar a uma causa em que ela acredita verdadeiramente e que assume como sendo tambén sua. Obrigado a minha mulher Dalva que se manteve firme durante esses 3 meses, a minha querida filha Thais que aprendeu na marra fazer a boa política e respondeu com muito carinho às minhas expectativas, ao meu filho Juninho que aguentou com calma os stress do dia a dia e esteve junto comigo lado a lado nessa caminhada.
      Não posso esquecer as dezenas de pessoas que oraram ou rezaram por mim e manteram meu espirito calmo e esperançoso.
       Finalmente quero agradecer ao PSOL e a meus amigos Bernardo, Fernanda, Luciana e Robaina pela confiança em mim depositada e por acreditarem em nosso movimento.
      Agradeço muito e muito a DEUS pela coragem que dispendi nessa campanha, sem isso não conseguiria atingir a meta que me foi determinada.
      É por tudo isso que digo: valeu a pena! Saio com o couro calejado e pronto para as próximas lutas que com certeza virão.

      Obrigado e um beijo no coração de todos. Até!

Juliano Fripp

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Carta de agradecimento de Juliano à todo o seu eleitorado


            Foi muito difícil chegar até aqui. A campanha é uma luta diária, constante, e árdua pelo voto e pela reafirmação da confiança de todas as pessoas que sempre acreditaram no nosso movimento. Eu quero agradecer, de coração, a todas as pessoas que nos ajudaram nessa empreitada. Agradecer a todos os camelôs que sempre me auxiliaram: sem vocês eu jamais teria força e coragem para chegar nessa reta final com a convicção de que nós fizemos um bom trabalho juntos! Com a certeza de que juntos nós estamos crescendo e incomodando muita gente, mostrando a dignidade, a força, a luta e o orgulho do trabalhador informal. É por esta categoria que eu luto, é junto com os 800 camelôs que um dia entraram nesse camelódromo que nós conseguimos conquistar muitas coisas durante a minha gestão no Comitê Gestor e vamos continuar conquistando, na certeza de que, uma vez na Assembléia, muitas portas se abrirão para o nosso povo!
            Foi graças à mobilização coletiva – que nos levou várias vezes para a Câmara de Vereadores, para a frente da Prefeitura e para a SMIC, nos protestos, caminhadas e nas várias reuniões que juntos nós realizamos – foi graças a tudo isso que nenhum camelô foi despejado durante os primeiros 14 meses do camelódromo, enquanto eu fui representante oficial dos camelôs no Comitê Gestor do camelódromo! É essa mobilização coletiva, o empenho e a luta de cada camelô, desde os vários e vários anos que nós passamos dificuldades na rua, que me dá a coragem de colocar o meu nome à disposição e me dá a certeza de que, assim como eu me mantive firme nos meus propósitos ao longo de todos esses anos, também os camelôs vão ficar firmes comigo nessa nova empreitada, e vão eleger, no próximo domingo, o primeiro representante da história do comércio informal para a Assembléia Legislativa!
            Independente do resultado das urnas, eu quero continuar as mesmas lutas e manter as mesmas bandeiras pelas quais eu já venho lutando há anos, dentro do Camelódromo e no Orçamento Participativo. Vou manter o compromisso com a coletividade, com o movimento por um camelódromo mais justo, onde todos os trabalhadores um dia vão poder dizer com orgulho que são camelôs e que aquele espaço é nosso, conquistado com o nosso suor e o nosso sangue! Nós vamos chegar ao dia em que ninguém sofrerá mais ameaças de despejo e ameaças à dignidade do ser humano! E esse dia está cada vez mais próximo, pois temos o Ministério Público e a Defensoria Pública do nosso lado, que já perceberam há muito tempo as irregularidades desse projeto e estão do nosso lado para juntos construirmos o caminho do respeito e do reconhecimento dessa categoria que há anos trabalha de sol a sol e alimenta a economia da cidade.
            A hora é agora! Nesta reta final de campanha, eu quero agradecer novamente a todas as pessoas que contribuíram para que essa luta coletiva tivesse êxito nessa árdua tarefa de se deslocar pelos cantos do Rio Grande do Sul, divulgando uma luta que é histórica, que é a nossa identidade e a nossa razão de ser camelô. Queremos agradecer a você, eleitor, que no próximo domingo confirmará não somente um voto, mas também a certeza de que é na luta em favor do trabalhador informal e oprimido que você acredita!

Juliano Fripp
Presidente ASFERAP

sábado, 2 de outubro de 2010

Carta de agradecimento!


                No dia 9 de fevereiro de 2009, com a abertura do Camelódromo de Porto Alegre, iniciou uma nova etapa na vida dos trabalhadores informais que durante vários anos permaneceram nas ruas do centro da cidade e, com ela, a luta desses camelôs por melhores condições de trabalho naquele espaço que, um dia, foi sonhado pela prefeitura e pelos trabalhadores. No dia 16 de fevereiro de 2009, Juliano Fripp, presidente fundador da Associação Feira Rua da Praia, deu início à luta em nome dos 800 comerciantes populares, quando foi eleito como representante oficial no Comitê Gestor do camelódromo.
                A trajetória de Juliano no comércio informal de Porto Alegre inicia no início dos anos 90, quando regressa à capital gaúcha e se instala na Rua da Praia, onde comercializava confecções de produção própria. Foi crescendo como liderança e cada vez mais se apresentando como uma alternativa à forma como o poder público passou a conduzir as políticas públicas relativas ao comércio informal. Em 2001, fundou a ASFERAP (Associação Feira Rua da Praia), quando, pela primeira vez, os camelôs puderam se organizar politicamente para reivindicar seus direitos e expectativas. Juliano esteve envolvido durante vários anos nas lutas, disputas, protestos e na organização dos trabalhadores, desde os anos 90. Foi graças à sua capacidade de liderança que os camelôs passaram a ser vistos com outros olhos pela população porto-alegrense; graças à sua mobilização, os camelôs puderam brigar de igual para igual com o poder público e conseguiram, na época, negociar os melhores horários e pontos nas ruas do centro.
                Mas a luta estava recém começando. Juliano sempre acreditou que a construção do camelódromo significava um passo adiante para a conquista da cidadania, da dignidade e, mais importante, do reconhecimento de uma classe fundamental de trabalhadores que movimentam a economia da cidade - os camelôs. Mas os desvios no projeto, as mentiras da prefeitura e as ilegalidades cometidas pela secretaria de indústria e comércio mobilizaram nosso candidato em busca de melhores condições de trabalho para a sua gente. Juliano convocou a prefeitura e a câmara de vereadores para o debate; propôs, como medidas de urgência, o período de 1 ano de carência dos aluguéis e um processo de zoneamento dos espaços, para que os menos favorecidos pudessem pagar de acordo com suas condições socioeconômicas e de fluxo de pessoas. Juliano mobilizou toda a comunidade de camelôs e, no dia 30 de abril de 2009, fez a Tribuna Popular, na Câmara de Vereadores, que colocou mais de 600 trabalhadores indignados e enganados pela prefeitura no auditório principal da casa. Juliano convocou e participou da realização de seis reuniões na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, de maio a outubro de 2009; presidiu a realização de dois protestos e passeatas pelas ruas de Porto Alegre, quando pela pressão popular conseguiu convocar reuniões com o secretário de Gestão, Clóvis Magalhães; por fim, Juliano conseguiu articular uma reunião com os vereadores, os secretários de Gestão e da SMIC no gabinete do secretário Cecchim, em que foi definido um prazo coletivo de renegociação. Graças ao empenho e a articulação de Juliano, como representante dos camelôs, nenhum camelô foi despejado durante os primeiros 14 meses do camelódromo!
                Foi só após entregar o cargo no Comitê Gestor - em função da impugnação irregular da candidatura de sua chapa pela empresa Verdicon - que os despejos começaram a ocorrer. Juliano foi um dos despejados, juntamente com mais outras 10 pessoas, em março de 2010. Tentaram calar a voz que gritava as injustiças que estavam sendo cometidas e, com ela, a coragem e a força da comunidade que sempre o apoiou em todas as situações. Com a retirada da banca de Juliano do camelódromo, a população de camelôs se sentiu órfã, pois não havia mais que os representasse na luta contra a prefeitura e contra a empresa Verdicom.
                Mas Juliano, mesmo tendo sido despejado por acreditar numa causa coletiva, por ter se rebelado e expressado aberta e democraticamente suas opiniões e posições, nunca se deixou abalar. Ao contrário, acionou o Ministério Público e a Defensoria Pública, que estão dando guarida aos verdadeiros donos do camelódromo - aquelas pessoas que sempre lutaram na rua e que agora se recusam a entregar sua dignidade a uma empresa que não faz mais do que financiar a campanha dos candidatos da prefeitura de Porto Alegre.
                Juliano sempre se manteve firme em seus propósitos, e mesmo depois de entregar a sua banca pelo bem de todos os 800 camelôs, ainda acredita e defende os interesses daqueles que permaneceram no camelódromo com toda a força e o ardor que sempre o caracterizaram. Foi por isso que, acreditando que é através da política institucional que as coisas acontecem e podem ser mudadas, que Juliano Fripp se candidatou a deputado estadual pelo PSOL - partido que muito apoiou as lutas empreendidas ao longo de 2009 em favor dos camelôs. Juliano sempre acreditou no sonho de que, algum dia, um verdadeiro representante do povo trabalhador pudesse assumir uma cadeira no legislativo e, assim, ter os instrumentos necessários para falar de igual para igual contra aqueles que historicamente sempre se colocaram contra essa classe lutadora de trabalhadores - os camelôs.
                Foi muito difícil chegar até aqui. A campanha é uma luta diária, constante, e árdua pelo voto e pela reafirmação da confiança de todas as pessoas que sempre acreditaram em Juliano. Além de muito trabalho, empenho e organização, a campanha de Juliano também teve de enfrentar, diariamente, a prepotência e a truculência daqueles que sempre se colocaram contra ele, porque prejudicavam seus interesses espúrios. Quantas vezes, ao longo desta campanha, Juliano se debateu com os agentes da segurança do camelódromo? Quantas vezes os mesmos agentes apoiaram a circulação de outros candidatos dentro do camelódromo? Essas retaliações, que aliás o camelô já está acostumado pois as sofre diariamente dentro do camelódromo, essas retaliações só podem significar uma coisa: que a campanha de Juliano está crescendo a passos largos e incomodando muita gente cujos interesses estão sendo criticados e escancarados para a sociedade.
                Se a campanha tem essas dificuldades, por outro lado ela é cheia de alegrias e vantagens. Porque o trabalho de Juliano é conhecido por todos, e vem sendo realizado há muitos e muitos anos. É essa empolgação, essa relação de confiança e de certeza que os trabalhadores têm com Juliano, que é o maior diferencial desta candidatura. Das muitas e muitas pessoas com quem conversamos em todo o Estado ao longo da campanha, só ouvimos votos de confiança, renovação dos vínculos de amizade e de camaradagem que com certeza não surgiram só em função das eleições - e que também não vão morrer no dia 3 de outubro.
                O que Juliano conquistou ao longo de sua história dá a certeza de que este é o candidato que manterá a sua posição firme, mesmo depois de eleito. Ele dá a certeza de que é para os verdadeiros interesses do povo trabalhador que a política deve ser voltada. Independente do que o resultado das urnas apontar no próximo domingo, Juliano continuará as mesmas lutas e manterá as mesmas bandeiras pelas quais já vem lutando há anos, dentro do Camelódromo e do Orçamento Participativo. Juliano manterá o compromisso com a coletividade, com as causas da população necessitada e digna, pois estas não são só bandeiras políticas, são bandeiras de vida, do cidadão que está por trás do candidato e do líder comunitário.
                A hora é agora! Nesta reta final de campanha, gostaríamos de agradecer a todas as pessoas que de alguma forma contribuíram para que o nosso candidato tivesse êxito nessa árdua tarefa de se deslocar pelos cantos do Rio Grande do Sul, divulgando a sua luta e as suas propostas políticas. Queremos agradecer a você, eleitor, que no próximo domingo confirmará não somente um voto, mas também a certeza de que é na luta em favor do povo trabalhador e oprimido que você acredita, e que Juliano é o represente maior dessa causa. Agradecemos a todos pelo apoio e contamos com a mobilização do maior número de pessoas para juntos elegermos, no dia 3, Juliano Fripp deputado estadual! Vamos pegar as nossas bandeiras, os nossos panfletos, sair às ruas, cantar os jingles da campanha e pintar todo o nosso estado de 50633!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

JULIANO ESTEVE NA VILA DOS PAPELEIROS!

Na retomada de Porto Alegre, depois de dias e dias no interior do RS, chegou a vez da Vila dos Papeleiros, onde nosso candidato foi muito bem recepcionado por lideranças locais, dentre elas Sr. Antonio Carbonera, presidente da vila, e tambem Dona Iracema, que lembraram da luta que foi para que a vila saisse do papel. Lembraram também que foi preciso acontecer uma grande tragédia, que foi um incendio que devastou a vila, para que a demanda conquistada dentro do OP, depois de anos de espera, saisse realmente do papel. Hoje com todos os problemas que a vila enfrenta uma coisa é certa: todos tem uma moradia minimamente digna e que valeu a pena ter lutado e perseguido o sonho que não era só dos moradores da vila dos papeleiros, mas tambem de conselheiros da região centro do Orçamento Participativo que estiveram lado a lado com os delegados e lideranças da vila, cobrando e exigindo que a Prefeitura executasse finalmente aquilo que foi conquistado com muita força e vontade de todos os envolvidos.
E é graças a esse envolvimento com a comunidade da Vila dos Papeleiros, hoje vila Santa Terezinha, que nosso candidato é recebido com muito carinho e respeito, pois todos por lá sabem quanta luta e quantos anos foi preciso para que o sonho da casa própria se tornasse realidade e sempre Juliano Fripp estava lá junto e firme exigindo que o governo cumprisse o que havia prometido!















A campanha continua com força total na reta final!

Nesta reta final de campanha, em que entramos na última semana antes das eleições, no próximo domingo, a campanha Juliano Fripp deputado estadual não pára de crescer e conseguir novos frutos. Além de intensas agendas em toda a região metropolitana de Porto Alegre, Juliano também visitou novamente o litoral gaúcho, acrescentando novas cidades àquelas que já foram contempladas durante a sua primeira visita.

Além disso, em Porto Alegre, Juliano está perfazendo todas as vilas da cidade, sobretudo aquelas que estão articuladas no Orçamento Participativo de Porto Alegre, em que Juliano cresceu enquanto liderança e tem uma sólida história de lutas e de companheiros que acreditam nessa causa. Nos próximos dias estaremos dando seqüência a tais agendas, bem como a divulgação de fotos e vídeos finais da campanha.

Não deixe de acompanhar ativamente essa campanha e a luta em favor do trabalho informal. E no próximo domingo, é Juliano Fripp 50633 para deputado estadual! Abraço a todos e boa luta nesta reta final!

JULIANO ESTEVE EM PELOTAS!

O nosso candidato esteve em Pelotas, na noite do dia 21 de setembro, para discutir juntamente com a Câmara de Vereadores da cidade e os camelôs a implantação de um Shopping Popular, ao modelo do de Porto Alegre. Cecchim e Walter Nagelstein, respectivamente ex-secretário e atual secretário da SMIC de Porto Alegre, que são os responsãveis por levar até Pelotas o fracasso do projeto de Porto Alegre, não estiveram presentes no local. Mas Juliano fez uma fala pública que alertou a todas as pessoas da importãncia de se organizarem politicamente para dar voz às reindicações dos camelôs e impedirem de que aconteça o memso que aconteceu em Porto Alegre. Juliano fez uso da palavra e deixou claro como aconteceu o processo em Porto Alegre, de como a prefeitura, junto com a Verdi Construções (que, aliás, é a empresa cotada para fazer a licitação em Pelotas) destruíram o sonho e a existência de toda uma classe de trabalhadores informais na cidade.

Acompanhe mais informações no link abaixo:

http://www.diariopopular.com.br/site/content/noticias/detalhe.php?id=11&noticia=27276#TB_inline?height=550&width=749&height=610&inlineId=modalFotos